segunda-feira, 30 de julho de 2012

Denise de Castro (piano e voz), Silvia Beraldo (sax e flauta), Alexandre Vicente (baixo), Wslley Risso(guitarra) e Victorb Bub (bateria)  apresentam o show "A Música de Caetano Veloso". Caetano Veloso é um dos grandes compositores da música popular brasileira com uma vasta e importante produção musical no cenário cultural do país na últimas quatro décadas. Neste show músicas como Tropicália, Alegria Alegria, Você Não Entende Nada, Podres Poderes, Sampa e outras, ganham arranjos exclusivos preparados especialmente para esta noite.

SERVIÇO: 
QUANDO: dia 04 de agosto, sábado
HORA: 21 hs.
ONDE: Café da Côrte - Centro Histórico de São José, 3.107 
RESERVAS: (48) 3259-9915

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Noite da Gafieira com Portal do Choro

Nesta sexta-feira, dia 27, o Grupo Portal do Choro apresenta "Uma Noite na Gafieira" no Lira Tenis Clube. Horário: 22:00 hs à 01:00 h
O evento acontecerá no Salão Cristal, os lugares são limitados e não há venda de mesas.
Ingresso para não sócios será de R$ 15,00, com direito a mesa. 
Participação especial da escola de dança do clube.

terça-feira, 24 de julho de 2012

Programação Bar dos Açores

Quarta-Feira, 25 de Jul / 2012

Barraco Acústico

MPB
Horario:21:30h
Quinta-Feira, 26 de Jul / 2012

Raiz de Canela

Samba
Horario:21:30h
Sexta-Feira, 27 de Jul / 2012

Michel de Moraes

MPB
Horario:22:00h
Sábado, 28 de Jul / 2012

Casa da Bruxa

Rock Nacional
Horario:22:00h

Rua Conego Serpa, 20 | Santo Antônio de Lisboa | Florianópolis | Santa Catarina - Brasil
0055 (48) 3235-1377 / 9965-8609
contato@acores.com.br | www.baracores.com.br

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Avaí assina com patrocinador master: flagrantes do evento


Juarez Machado em exposição exclusiva no Museu de Arte de Santa Catarina


foto:divulgação

“Soixante-Dix" comemora os 70 anos do artista plástico catarinense Juarez Machado


  Desde 19 de julho, o Museu de Arte de Santa Catarina (MASC), recebe a exposição Soixante-Dix, de Juarez Machado. A exposição individual que conta com mais 55 obras originais e inéditas em nosso país, entre pinturas, desenhos, esculturas, figurinos e objetos, comemora os 70 anos do pintor joinvillense, radicado em Paris.
Agende-se

O quê: exposição Soixante-Dix

Quando: de 19 de julho e 5 de agosto. De terça a domingo, das 10h Às 21h15min

Onde: Museu de Arte de Santa Catarina - Masc (Av. Governador Irineu Bornhausen 5.600, Bairro Agronômica). Telefone (48) 3953-2380

Quanto: gratuito

A Lei de Acesso à Informação: um importante avanço na luta pela democratização da comunicação no Brasil



A Lei de Acesso à Informação: um importante avanço na luta pela democratização da comunicação no Brasil


Marcio Vieira de Souza - professor adjunto da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Formado em Comunicação Social (jornalismo), Mestre em Sociologia Política e Doutor em Engenharia de Produção (mídia e conhecimento). e-mail: marciovieiradesouza@gmail.com


A lei de acesso à informação entrou em vigor no dia 16 de maio de 2012, através do decreto 7.724 que regulamenta a Lei n. 12.527, de 18 de Novembro de 2011, que trata do direito constitucional de acesso à informação pública. Este fato é um marco de grande importância para o movimento pela democratização da comunicação no Brasil e uma significativa mudança de paradigma em matéria de transparência pública, pois o acesso passa a ser a regra e o sigilo, a exceção. A informação pública tornou-se um bem comum. Ela prevê procedimentos e prazos para que a administração responda a pedidos de informação apresentados por qualquer pessoa, física ou jurídica, estabelece obrigações de transparência e determina que seja instituído um Serviço de Informações ao Cidadão em todos os órgãos e entidades do Poder Público.


A lei permite que os cidadãos tenham acesso a todo tipo de informação que diz respeito a processos e trâmites do governo. A partir de agora qualquer pessoa pode pedir documentos e informações sobre gastos financeiros, ações, obras e projetos. A lei vale para os órgãos públicos dos três poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário) dos três níveis de governo (federal, estadual e municipal). No âmbito do Poder Executivo, vale ressaltar que a Lei obriga tanto a Administração Direta quanto a Indireta, aplicando-se, portanto, às autarquias, fundações públicas, empresas públicas, sociedades de economia mista e demais entidades controladas direta ou indiretamente pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. Além disso, as entidades privadas sem fins lucrativos que recebem recursos públicos para realização de ações de interesse público também estão sujeitas a lei e deverão dar publicidade a uma série de dados e informações.


Atualmente mais de 90 países contam com leis de acesso à informação. Segundo pesquisadores da área, pode-se notar que os países que tem bons índices de qualidade de vida, de nível educacional, de democracia, geralmente possuem leis de acesso à informação. O cidadão tem direito de saber o que o Estado está fazendo em seu nome. O direito a informação pública ajuda a melhorar as políticas públicas para torná-las mais eficientes, mais transparentes e menos corruptas. Este é um direito que ajuda a criar outros direitos. Direito de informação, de comunicação, de pesquisa, de resgate da memória histórica, de licitações e concorrências justas, enfim, que o cidadão comum possa ter livre acesso as informações que lhe dizem respeito, bem como as do Estado que ele ajuda a construir.




Publicado inicialmente no Jornal Universitario da UFSC ( Universidade Federal de Santa Catarina)


http://agecom.ufsc.br/files/2012/07/ju427_net.pdf

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Grupo Portal do Choro em dose dupla


Sexta-feira, dia 13/07 o Grupo Portal do Choro estará se apresentando na Choperia Essencial, no trevo de Santo Antônio de Lisboa. Inicia as 22:00h.
Para quem nunca foi, podemos dizer que o lugar é super aconchegante, servem deliciosos petiscos, Chopp e outras bebidas. Ideal para dançar ou curtir a música.
Para quem prefere sair no sábado a noite, neste sábado, dia 14, o Grupo estará fazendo Show no Café da Corte, no Centro Histórico de São José. Inicio: 21h.

Coisas de Maria e João apresenta:





Quarta-Feira, 11 de Jul / 2012

Barraco Acústico

MPB
Horario:21:30h
Quinta-Feira, 12 de Jul / 2012

Raiz de Canela

Samba
Horario:21:30h
Sexta-Feira, 13 de Jul / 2012

Isa Martins

MPB
Horario:22:00h
Sábado, 14 de Jul / 2012

Edson Moura

MPB
Horario:22:00h
Domingo, 15 de Jul / 2012

Almoço com Samba do Alę

almoços dos Domingos com Roda de Samba
Horario:das 12:00h até 18:30h

terça-feira, 3 de julho de 2012

O falecimento do escritor catarinense Chico Pereira


 Na foto: Chico Pereira ( a direita) com o colega de academia, o avaiano Amilcar Neves.

O escritor Francisco José Pereira, o “Chico Pereira”, faleceu nesta segunda-feira, aos 79 anos, após uma vida dedicada à literatura de Santa Catarina. Ele foi sepultado às 10h de terça no Cemitério Municipal do Itacorubi, em Florianópolis.
Chico Pereira, como era chamado pelos amigos, nasceu em Florianópolis. Começou a escrever em 1957, quando cursava Direito. Formado, advogou na área trabalhista. Foi preso durante a ditadura militar, quando teve de se exilar na América Latina e na África. Dois de seus três filhos ( Rodrigo, Francisco e e André) com a companheira da vida inteira, Natália, nasceram no exílio.  Grande escritor catarinense e militante político, grande perda para o estado.

Resumimos abaixo um pouco das informações que foram vinculadas na mídia após sua morte.

Um dos momentos mais importantes da vida do escritor  foi dia 30 de junho de 2005, quando entrou para a Academia Catarinense de Letras (ACL), na vaga deixada por Teobaldo da Costa Jamundá. Coincidentemente, a cadeira tinha como patrono o jornalista Crispim Mira, que dá nome à rua, no centro de Florianópolis, na qual Pereira passou a infância e que foi tema de seu livro As Duas Mortes de Crispim Mira. Ele também era um dos editores da Editora Garapuvu.
Faleceu nesta segunda-feira (2) o escritor Francisco José Pereira, também conhecido como Chico Pereira, ocupante da cadeira número cinco da Academia Catarinense de Letras. O velório acontece neste segunda a partir das 18h,  no Cemitério do Itacorubi. O enterro será na terça-feira (3), às 10h.
Seu filho, também conhecido como Chico Pereira, conta uma história curiosa sobre o autor. "Desde 2005 meu pai ocupou, na Academia Catarinense de Letras, a cadeira nº 5, cujo patrono é Crispim Mira. Coincidentemente, ele nasceu na Rua Crispim Mira, na capital, e seu primeiro livro de ficção chama-se ´As duas Mortes de Crispim Mira".
Um de seus livros mais ilustres é "O pardieiro", de 1999. O livro de contos, que se passam na década de 50, foi um dos livros do vestibular da UFSC em 2004. Além disso, o Autor fundou a editora Garapuvu, em homenagem à árvore símbolo de Florianópolis.
Gilmar de Andrade, amigo da família, afirma que o autor era um exemplo de vida. "O Chico dedicou a vida a construir um país melhor. Era uma referência de vida para todo mundo, uma pessoa doce, bem humorada,  e deixou um grande legado cultural".
Além disso, Gilmar relembra que, quando Chico era presidente do IPUF, em 1980, ele foi um dos responsáveis pelo desenvolvimento do Plano Diretor de Florianópolis.
 
Biografia

Nasceu na cidade de Florianópolis, em abril de 1933. Ingressou muito cedo, aos 19 anos, no jornalismo da capital (Jornalista com registro na Delegacia Regional do Trabalho sob o nº 187, de 1954). Foi redator e gerente do jornal Diário da Tarde (1952 a 1955). Criou (com Nazareno Coelho) o jornal O Invicto, semanário esportivo de ampla circulação na cidade de Florianópolis (1953 a 1954). Foi redator do jornal Unidade (1959-1963) e diretor do jornal Folha Catarinense, com circulação em todo o Estado de 1963 a 1964, cuja gráfica foi destruída após o golpe militar de 1964. Na imprensa de caráter cultural, dirigiu o suplemento Letras e Artes, junto com Silveira de Souza, do jornal O Estado (1957). Foi redator do jornal de artes Roteiro, órgão de divulgação cultural catarinense, onde publicou seus primeiros contos (1958). Nesta mesma época colaborou com as revistas Sul e Litoral, com a publicação de diversos contos.

Na década de 50 ingressou na Faculdade de Direito de Santa Catarina. Teve ativa participação na política estudantil. Membro do Conselho Universitário da União Catarinense de Estudantes (UCE) dirigiu os jornais Folha Acadêmica (Faculdade de Direito) e O Lutador (UCE). Em julho de 1955 ingressou no Partido Comunista Brasileiro.

Formou-se em Direito em 1955 (inscrição na OAB/SC nº 527), foi advogado do Sindicato dos Mineiros em Criciúma (1960- 1961) e, após, com escritório próprio de advocacia trabalhista na cidade de Blumenau, dedicou-se fundamentalmente a demandas da classe operária (1962-1964).

Membro da Executiva Estadual do PCB, foi preso pelo Exército golpista em 1º de abril de 1964, mantido em cárcere por sete meses no Quartel da Polícia Militar do Estado do Paraná. Foi condenado por sua militância política a pena de 12 anos de reclusão. Evadiu-se da prisão e asilou-se na Embaixada da Bolívia, deixando o país em janeiro de 1965 na condição de exilado político, mediante salvo-conduto expedido pelo Itamarati. Viveu no exílio por 15 anos, regressando ao Brasil em maio de 1980, sob o amparo da Lei de Anistia.

No exterior, obteve o título de Mestre em Ciências Políticas e Sociais pela Universidade Católica de Louvain, Bélgica, em 1969. Defesa da tese: Phénomènes politiques dans le processus du développement. Le militarrisme en Amérique Latine Une étude de cas: le Brésil. Diploma Especial em Sociologia do Desenvolvimento, pelo Instituto de Estudos de Países em vias de Desenvolvimento, da mesma Universidade Católica de Louvain, em 1970. Com essas habilitações acadêmicas, foi contratado como consultor de organismos especializados em desenvolvimento sócio-econômico da ONU/Nações Unidas, atuando em diversos países da América Latina e na África: FAO (República Dominicana, Moçambique), CEPAL (México), ILPES (Chile), FIDA (Nicarágua, Bolívia) e o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) em Honduras, Equador e Paraguai.

No regresso, ocupou vários cargos políticos, entre eles, Diretor de Planejamento da COBAL (Ministério da Agricultura, 1985), Superintendente da SUDESUL (1986-1987), Diretor-Presidente do IPUF (1988) e Secretário Municipal Florianópolis, no governo da Frente Popular (1993-1996). Foi Presidente estadual do Partido Popular Progressista (PPS), que sucedeu o PCB, no período 1994-1996.

Em 1996, fundou a Editora Garapuvu (Nome da árvore símbolo de Florianópolis), pela qual tem editado muitos escritores catarinenses.

É membro da Academia Catarinense de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina. 



com circulação em todo o Estado de 1963 a 1964, cuja gráfica foi destruída após o golpe militar de 1964. Na imprensa de caráter cultural, dirigiu o suplemento Letras e Artes, junto com Silveira de Souza, do jornal O Estado (1957). Foi redator do jornal de artes Roteiro, órgão de divulgação cultural catarinense, onde publicou seus primeiros contos (1958). Nesta mesma época colaborou com as revistas Sul e Litoral, com a publicação de diversos contos.

Na década de 50 ingressou na Faculdade de Direito de Santa Catarina. Teve ativa participação na política estudantil. Membro do Conselho Universitário da União Catarinense de Estudantes (UCE) dirigiu os jornais Folha Acadêmica (Faculdade de Direito) e O Lutador (UCE). Em julho de 1955 ingressou no Partido Comunista Brasileiro.

Formou-se em Direito em 1955 (inscrição na OAB/SC nº 527), foi advogado do Sindicato dos Mineiros em Criciúma (1960- 1961) e, após, com escritório próprio de advocacia trabalhista na cidade de Blumenau, dedicou-se fundamentalmente a demandas da classe operária (1962-1964).

Membro da Executiva Estadual do PCB, foi preso pelo Exército golpista em 1º de abril de 1964, mantido em cárcere por sete meses no Quartel da Polícia Militar do Estado do Paraná. Foi condenado por sua militância política a pena de 12 anos de reclusão. Evadiu-se da prisão e asilou-se na Embaixada da Bolívia, deixando o país em janeiro de 1965 na condição de exilado político, mediante salvo-conduto expedido pelo Itamarati. Viveu no exílio por 15 anos, regressando ao Brasil em maio de 1980, sob o amparo da Lei de Anistia.

No exterior, obteve o título de Mestre em Ciências Políticas e Sociais pela Universidade Católica de Louvain, Bélgica, em 1969. Defesa da tese: Phénomènes politiques dans le processus du développement. Le militarrisme en Amérique Latine Une étude de cas: le Brésil. Diploma Especial em Sociologia do Desenvolvimento, pelo Instituto de Estudos de Países em vias de Desenvolvimento, da mesma Universidade Católica de Louvain, em 1970. Com essas habilitações acadêmicas, foi contratado como consultor de organismos especializados em desenvolvimento sócio-econômico da ONU/Nações Unidas, atuando em diversos países da América Latina e na África: FAO (República Dominicana, Moçambique), CEPAL (México), ILPES (Chile), FIDA (Nicarágua, Bolívia) e o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) em Honduras, Equador e Paraguai.

No regresso, ocupou vários cargos políticos, entre eles, Diretor de Planejamento da COBAL (Ministério da Agricultura, 1985), Superintendente da SUDESUL (1986-1987), Diretor-Presidente do IPUF (1988) e Secretário Municipal Florianópolis, no governo da Frente Popular (1993-1996). Foi Presidente estadual do Partido Popular Progressista (PPS), que sucedeu o PCB, no período 1994-1996.

Em 1996, fundou a Editora Garapuvu (Nome da árvore símbolo de Florianópolis), pela qual tem editado muitos escritores catarinenses.

É membro da Academia Catarinense de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina.

Como escritor publicou: Apartheid O Horror Branco na África do Sul (ensaio, Editora Brasiliense, 20.000 exemplares vendidos). E os livros de ficção: As Duas Mortes de Crispim Mira (1992); Desterro de Meus Amores (1993); Um Ônibus e Quatro Destinos (co-autoria, 1994); Vôo da Morte (1995); O Pardieiro (1999); Destinos sem Repouso (2001); Havia Estrelas no Céu (2003); Contos Completos (2006). Foi organizador, co-autor e editor de: O Dez Mandamentos (1996); Contos de Carnaval (1997); Círculo de Mistérios (2000); Nossos Melhores Contos (2003); Nem sempre foi Assim - Contos dos Anos de Chumbo (2007).

O livro O Pardieiro (1999), recebeu premio de Melhor Livro do Ano, concedido pela Academia Catarinense de Letras e foi indicado como leitura obrigatória para o vestibular da UFSC.

Recebeu em 2005 a Medalha do Mérito Anita Garibaldi, concedida pelo Governo do Estado de Santa Catarina e o Título Honorífico de Cidadão Blumenauense, entregue em sessão solene da Câmara Municipal de Blumenau.

É casado com Natália Dias Pereira, e pai de três filhos.

Fontes:



segunda-feira, 2 de julho de 2012